Salvador tem 14 mortes e 723 novos casos de tuberculose no primeiro semestre de 2017

34 Views 0 Comment

Apesar de mais de 43 milhões de vidas tenham sido salvas no mundo por meio de diagnóstico e tratamento efetivo, entre os anos de 2006 e 2015, a tuberculose está entre as doenças infecciosas que mais mata no Brasil. Em Salvador, somente neste ano, foram registradas 14 mortes e 723 novos casos, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). De acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), o estado ocupa o 3º lugar com maior carga da doença no país. Anualmente, são diagnosticados mais de 4.500 casos novos de tuberculose na Bahia, desses, apenas 61,8% são curados e o abandono de tratamento chega a 6,1%. Ainda de acordo com a Sesab, em todo o estado foram contabilizados 4.379 novos casos e 225 óbitos, no ano de 2016.

Segundo o pneumologista do Hapvida, Jorge Benevides, é importante reforçar que o abandono do tratamento haverá a falência e resistência aos medicamentos utilizados. “Se o tratamento for interrompido, pode levar à necessidade de troca de medicamento para um mais forte e um prolongamento do tratamento por um ou até dois anos”, reforça o especialista.

A tuberculose é uma doença causada pelo bacilo de Koch, que destrói o pulmão, podendo ser disseminada para outras partes do corpo, tais como ossos, meninges, órgãos genitais e rins. Nos infectados, os sintomas mais frequentes são a perda de peso, revelando um emagrecimento, febre baixa, que se apresenta mais ao fim do dia, tosse que se estende por mais de três semanas. “Entretanto, alguns pacientes não exibem nenhum sintoma perceptível da doença, mas apresentam fraqueza e cansaço excessivo, que também devem ser avaliados por médicos”, explica o pneumologista.

Salvador é apontada ainda como a terceira capital em número de casos da doença, com uma média de 2 mil novas notificações por ano. O Brasil é um dos países com maior número de casos no mundo e, desde 2003, a doença é considerada como prioritária na agenda política do Ministério da Saúde.

Cura total em até seis meses – O tratamento da tuberculose é feito à base de antibióticos e é eficaz desde que seja feito corretamente, sem abandonar os cuidados necessários ou a medicação. “Alguns pacientes sentem os efeitos colaterais da medicação e apresentam enjoos, indisposição e mal-estar geral, mas, ainda assim, é fundamental que o tratamento não seja interrompido. Seguindo corretamente as orientações e cuidados do tratamento, em seis meses obtém-se cura total”, reforça Benevides.

Alguns grupos estão mais vulneráveis a adquirir a doença, tais como portadores de doenças que debilitem o sistema imunológico (imunodeficiências), pessoas que sejam dependentes de álcool ou outras drogas. Pessoas que apresentem quadros de desnutrição também são consideradas grupos de risco. Por isso, algumas medidas de prevenção são fundamentais para evitar a doença. A primeira das recomendações de prevenção seria fazer a vacina da tuberculose (BCG) até os 30 dias de nascido ou o mais rápido possível durante a infância. De acordo com o especialista, hábitos de vida mais saudáveis também são formas de prevenção. “Se alimentar bem, evitar ambientes aglomerados e com pouca ventilação são formas de evitar o contágio da doença”, destaca o médico.

Benevides ainda alerta: quando apresentar alguns dos sintomas, é fundamental procurar atendimento médico e, sobretudo, evitar a automedicação. “É preciso realizar o raio X do tórax para obter o diagnóstico correto, além de alguns exames laboratoriais, para, assim, indicar o melhor tratamento e a melhor medicação”, reforça.

 

 

 

0 Comments

Leave a Comment