Orquestra Popular Sambagolá: o regional samba da Bahia

1783 Views 0 Comment

Deprecated: class-oembed.php está obsoleto desde a versão 5.3.0! Use wp-includes/class-wp-oembed.php em seu lugar. in /home/presencacacheada/www/wp-includes/functions.php on line 5401

Notice: Undefined property: stdClass::$height in /home/presencacacheada/www/wp-content/plugins/embedplus-for-wordpress/embedplus.php on line 251

Vamos falar de opção para noite em Salvador, vou confessar que as opções são poucas quando o assunto é casa de show, música de boa qualidade e preço que caiba em nosso bolso. Pois é! Sexta-feira passada, 22,  estava com muita vontade de sair pra curtir um samba e sem saber exatamente onde, então lembrei de um convite que recebi há quase um ano da  percussionista Lis Brasil, que é seguidora do presença! Eu fui conferir e fiquei apaixonada.

Os encontros acontecem nas noites de sextas e sábados a partir das 22h. O Bar Toalha da Saudade, também conhecido como Casa de Batatinha é palco do “Sambagola“, expressão, que segundo o músico Gabriel Batatinha, surgiu de um manuscrito do velho Batatinha, o diplomata do samba baiano.  O batuque na mesa, as chamas das velas e os versos na ponta da língua, gente bonita e animada, são marcas do movimento, que surgiu no tradicional reduto da boemia baiana.

Liz Brasil e a suiça Seraina Gratwohl

Liz Brasil e a suiça Seraina Gratwohl

A orquestra  Popular Sambagolá reverencia o regional samba da Bahia, seus remanescentes e toda uma nova geração de compositores, lançando seu trabalho autoral e reinterpretando clássicos da música baiana e brasileira em versões próprias, numa roda de samba cheia de energia e vibração, com influências musicais de vários cantos do mundo, o movimento artístico cresceu rapidamente e começa a se expandir pela cidade de Salvador.

Confira o Teaser do Sambagolá:

A Orquestra Popular Sambagolá é um coletivo composto pelos herdeiros do compositor Batatinha, Jorge e Gabriel, além dos baianos Felipe Brandão (pandeiro) e Gabriel Campos (flauta); os mineiros Gustavo Maia (Cavaquinho e Violão) e Lis Brasil (Percussão); o boliviano Danilo Martinez (trombone); a suíça Seraina Gratwohl (Violino); o africano Prince Macauley (Percussão). A orquestra reverencia o regional samba da Bahia, seus remanescentes e toda uma nova geração de compositores, lançando seu trabalho autoral e reinterpretando clássicos da música baiana e brasileira em versões próprias, numa roda de samba cheia de energia e vibração.

Essa é minha dica para quem quer curtir uma roda de samba de boa qualidade em Salvador, tenho certeza que vocês vão sair tão encantados quanto eu! Depois dessa descoberta decidir que a partir de agora vou começar a procurar opções como esta aqui em Salvador, lugar tranquilo, boa música e preço que cabem em nossos bolsos, essa é a nossa missão!

Vamos conferir a galeria de fotos desta noite incrível!

DSCF2181

Participação de Gal do Beco

DSCF2176

Um samba à luz de velas

DSCF2188

Gabriel Campos (flauta)

DSCF2183

Seraina Gratwohl e Gabriel Batatinha

DSCF2148

Euzinha (rsrsr)

DSCF2198

Eu e Lis Brasil, mineira, seguidora do Presença Cacheada que tive a honra de conhecer nesta noite.

Informaçoes

Email: [email protected]

Contato : Yri Maya (Produção)

(71)9269-3702

0 Comments

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.